Paul McCartney homenageia George Martin

"Ele foi como um segundo pai para mim" 
Paul McCartney escreveu e publicou em seu site oficial um emocionante tributo ao produtor dos Beatles George Martin, que morreu na última terça, 8, aos 90 anos. Embaixo de uma foto que mostra McCartney e Martin juntos em estúdio, o cantor relembrou o colega e amigo. “O mundo perdeu um grande homem, que deixou uma marca indelével na minha alma e na história da música britânica”.

Leia abaixo a íntegra do texto publicado por Paul McCartney.

“Estou muito triste com a notícia da morte do meu querido George Martin. Tenho tantas memórias maravilhosas desse homem incrível que ficarão comigo para sempre. Ele sempre foi um verdadeiro cavalheiro e como um segundo pai para mim. Ele guiou a carreira dos Beatles com tanta habilidade e bom humor que acabou se tornando um amigão meu e da minha família. Se tem alguém que mereceu o título de quinto beatle, essa pessoa era George. Desde o dia em que ele deu aos Beatles nosso primeiro contrato de gravação até a última vez que o vi, ele foi a pessoa mais generosa, inteligente e musical que já tive o prazer de conhecer.

é difícil escolher uma memória favorita do meu tempo com George, existem tantas, mas uma que me veio à cabeça é de quando eu levei a música ‘Yesterday’ para o estúdio e os caras da banda sugeriram que eu cantasse solo. Depois que fiz isso, George Martin me disse: ‘Paul, estou com uma ideia de colocar um quarteto de cordas no disco’. Eu disse: ‘Ah, não, George, somos uma banda de rock and roll e não acho que seja uma boa ideia.’ Com o jeito delicado de um grande produtor ele me falou: ‘Vamos tentar. Se não funcionar, não usamos e vamos com a sua versão solo.’ Concordei e fomos para a casa dele no dia seguinte trabalhar nos arranjos.

Ele pegou meus acordes e espalhou as notas no piano, colocando o violoncelo uma oitava abaixo e o primeiro violino em uma oitava acima. Quando gravamos no Abbey Road, foi muito emocionante saber que a ideia dele estava tão correta que eu fiquei contando essa história para as pessoas por semanas. O conceito dele obviamente funcionou, porque a música se tornou uma das mais gravadas da história, com versões de Frank Sinatra, Elvis Presley, Ray Charles, Marvin Gaye e milhares de outros.

Essa é apenas uma das muitas lembranças que tenho de George, que depois me ajudou com os arranjos de ‘Eleanor Rigby’, ‘Live and Let Die’ e várias outras canções minhas. Tenho orgulho de ter conhecido um senhor tão distinto com um senso de humor tão afiado, que tinha a habilidade de tirar sarro dele mesmo. Mesmo quando ele recebeu o título de Cavaleiro da Rainha, nunca houve um resquício de esnobismo nele. Eu e minha família, de quem ele era um amigo querido, sentiremos muito a falta de George e mandamos nosso amor à esposa dele, Judy, aos filhos, Giles e Lucy, e aos netos.

O mundo perdeu um grande homem, que deixou uma marca indelével na minha alma e na história da música britânica.”

As informações são da Rolling Stone.

Curtiu? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Deixe o seu comentário

Publicidade

Top 5 da semana

Grátis!

Leia agora, a nova edição da revista Guitarload!

Informação, entrevistas, lançamentos e muito mais!