Jake Bowen tocando uma guitarra Ibanez ao vivo

Durante uma recente entrevista, o guitarrista do Periphery, Jake Bowen, foi questionado sobre sua preferência pelas guitarras da Ibanez.

“Trata-se de uma marca que tenho usado há muito tempo. Minha tia, que costumava tocar em uma banda de thrash metal, me deu uma Ibanez em 1996. Essa foi a primeira vez que toquei em um instrumento da empresa. Foi com ele que aprendi os riffs do Metallica, Pantera e Megadeth. Eu me sentia como se estivesse em casa”, explica Jake.

Publicidade

Inigualável

O guitarrista do Periphery tentou tocar com instrumentos de outras marcas, mas nenhuma superou a Ibanez.

“Quando estava ficando mais velho, eu pensava: ‘Tem outras guitarras por aí, eu deveria experimentar’. Então toquei com instrumentos Jackson, Caparison e Gibson, no entanto eu sempre voltava para a Ibanez”, revela.

“Então, em 2007, comecei a tocar com o Periphery e iniciamos a turnê. O ano de 2010 chegou e, em um show na Califórnia, me encontrei com um representante da Ibanez. Tivemos um ótimo relacionamento, eles cuidam muito bem de mim. Simplesmente amo o feeling das guitarras Ibanez. Não sei se me sinto tão confortável porque toquei com elas durante meus anos de formação ou porque acho que realmente são guitarras incríveis. Podem ser as duas coisas”, completa Jake.

Confira também: Construindo riffs de heavy metal a partir da menor harmônica

Sobre os amplificadores

Na mesma entrevista, Jake Bowen também falou sobre os amplificadores que gosta de usar.

“Estou meio que experimentando amplificadores agora. Mas, no momento, estou realmente viciado no Peavey Invective 120. É ótimo, muito versátil, com excelentes canais de distorção e um som limpo realmente surpreendente. Mas sempre fui um fã da Mesa Boogie. Amo os amps da marca, especialmente os Rectifiers. A série Mark também sempre me agradou”.

Quer saber as novidades sobre o Periphery? Então visite o site da banda.