Max Cavalera em preto e branco

Max Cavalera, líder do Soulfly, falou sobre a série de shows que ele e seu irmão fizeram com o intuito de reviver dois discos clássicos do Sepultura: Beneath the Remains, de 1989, e Arise, de 1991.

“Nós levamos isso muito a sério e ensaiamos muito, especialmente no ano passado. Eu disse a meu irmão Iggor que não queria fazer nada pela metade. Se iríamos fazer isso, tínhamos de tocar da forma que nós gravamos. Eu não queria ver um comentário ruim na internet”, afirma Max durante uma conversa com a equipe da Sticks for Stones.

Publicidade

“Foi um pesadelo reaprender muitos desses riffs. Foi preciso muita prática, mas, ao mesmo tempo, foi muito divertido se apaixonar por esses discos novamente”.

Leia também: Max Cavalera dá 5 dicas aos novos guitarristas

Momentos mágicos

O músico prosseguiu: “Eu realmente não ouço muito as minhas próprias coisas, pois prefiro escutar a música de outras pessoas… Então, para eu voltar a tocar esses discos, tive de dissecar as gravações”.

“Acho que Beneath the Remains e Arise são discos muito bons. Houve momentos realmente mágicos nesses álbuns, especialmente alguns breakdowns e partes rápidas. Os álbuns são feitos um para o outro. Quando você os ouve juntos, é mais divertido do que separadamente. É o auge da era death-trash. É muito bom tocar isso ao vivo. É por isso que a ideia de fazer os shows tocando os dois discos juntos foi genial”.

A turnê que homenageia os clássicos discos Beneath the Remains e Arise começou no segundo semestre de 2018 e já passou por locais como Rússia, América do Sul e América Central.

Quer mais informações sobre o trabalho de Max Cavalera? Então visite o site da banda Soulfly.