Malmsteen tocando ao vivo

Durante uma conversa com a Total Rock, Yngwie Malmsteen afirmou que sua perseverança foi fundamental para alcançar o sucesso e que sempre fez o som que estava em sua cabeça.

“É sobre se manter no que você quer fazer. Porque eu sei que posso realmente tocar um monte de coisas diferentes, mas eu realmente não quero. Eu só quero tocar isso. Eu poderia tocar country e western, eu poderia tocar jazz… Mas o que lancei é o que quero fazer. Isso é a coisa mais importante”.

Publicidade

Honestidade

O sueco continuou: “Acho que sempre tive uma visão muito forte do que quero fazer. Se isso se encaixa no que é considerado bem-sucedido, é discutível… Eu nunca realmente segui as tendências e sempre fiz minhas próprias coisas por toda a vida. E o fato de ter ido tão longe é ótimo. Mas eu sempre estive mais preocupado em criar algo que é realmente real, honesto e verdadeiro do que ‘ser bem-sucedido’”.

Leia: Malmsteen nega ser egocêntrico: “É uma coisa artística”

Novo disco

Em março, Malmsteen lançou um novo álbum de estúdio. Blue Lightning é um disco focado no blues, com oito covers e quatro faixas inéditas, e saiu oficialmente pela Mascot Records/Mascot Label Group.

Falando sobre o registro, Malmsteen disse: “Sempre brinquei com músicas antigas, tanto ao vivo quanto no estúdio. Há um tempo, fiz um álbum similar, chamado Inspiration, e a gravadora Mascot veio até mim e sugeriu que eu fizesse um disco de blues”.

O guitarrista afirma que, apesar de crescer em uma família com formação clássica, sua forma de tocar teve outras influências importantes. “As pessoas me conhecem por tocar o que é chamado de estilo neoclássico. Mas, quando ganhei uma guitarra no meu quinto aniversário, o que tentei imitar foi John Mayall & The Bluesbreakers”.

Deseja saber as novidades sobre Yngwie Malmsteen? Então acompanhe o site do artista.