Malmsteen tocando uma Fender Stratocaster

Durante uma recente conversa com a equipe da Guitar Magazine, Yngwie Malmsteen disse que seu álbum de estreia, Rising Force, lançado em 1984, foi o responsável por manter a Fender em atividade durante a crise da empresa nos anos 1980.

“Eu não só fui o primeiro a ter uma modelo signature [depois de Eric Clapton] como fui o primeiro a conseguir uma guitarra de graça desses caras. A Fender nunca deu guitarras a ninguém! Eles não deram para Blackmore, Jeff Beck, Jimi Hendrix, Hank Marvin ou quem quer que seja”.

Publicidade

Salvação

O guitarrista continuou: “No final dos anos 1970, duas coisas aconteceram. A Fender quase saiu do mercado e, em 1981, foi comprada por outros dois caras. Eles basicamente começaram de novo e estavam tendo um pouco de dificuldades, então meu álbum Rising Force saiu… O disco mudou todo o cenário, e o que estava na capa? Uma Fender Stratocaster”.

“Aquele maldito álbum salvou a companhia deles! Eles disseram que, quando o trabalho saiu, eles não conseguiam construir guitarras rápido o suficiente. Sendo que, antes disso, eles não estavam vendendo nada”, completa o sueco.

Não deixe de ler: Yngwie Malmsteen retorna ao blues em novo álbum

Purista

Em fevereiro, o guitarrista contou que não gosta de “inventar” quando o assunto são seus instrumentos. “Para ser honesto com você, sou um pouco purista com equipamentos. É engraçado… Quando vim pela primeira vez aos Estados Unidos, todas as empresas de guitarra e amplificadores me disseram: ‘Daremos o que você quiser’. Eu respondi: ‘Não, eu quero ficar com a Fender e a Marshall’. Acho que vale a pena ser focado e direto, não seguir as tendências”.

Questionado sobre a famosa parede de amplificadores Marshall que exibe em seus palcos, Malmsteen garante que não são de mentira. “Os amps são todos reais, absolutamente. Você pode ir lá atrás e olhar”.

Deseja saber as novidades sobre Yngwie Malmsteen? Então acompanhe o site do artista.