Zakk Wylde segurando uma guitarra Epiphone

Durante um bate-papo recente no Musicians Institute, Zakk Wylde se lembrou de sua primeira guitarra e explicou por que os músicos não devem vender seus primeiros instrumentos.

“Na verdade, ainda tenho minha primeira guitarra. Trata-se de uma Gibson SG Firebrand na cor Pelham Blue. Então a maior parte das minhas incontáveis ​​horas de treinamento de escalas estão nessa guitarra”, afirma Zakk.

Publicidade
Cordas Inbox | Esquenta Black Friday | Super Island |

Conexão

O guitarrista continuou: “Sempre pergunto a todos os meus amigos que tocam: ‘Oh, meu Deus, você ainda tem aquele pedaço de merda que é cópia de uma Fender?’. Aí o amigo diz: ‘Cara, eu tinha vendido, mas acabei reencontrando o cara que comprou e a peguei de volta’. Essas são sempre grandes histórias”.

Zakk finaliza com um forte conselho: “Nunca venda sua primeira guitarra. Não importa se o instrumento é um lixo, mas, sim, a conexão que você tem com ele… A primeira guitarra tem vida própria”.

Não deixe de ler: Zakk Wylde fala sobre a técnica de harmônicos artificiais

Sobre o rock

No mês passado, Zakk Wylde falou sobre o momento atual do rock and roll.

“Sabe, todo mundo está dizendo que o rock ‘está morto’… Mas você pode dizer isso para todos os gêneros de música. Por exemplo, o disco está morto? Não, não está. Está apenas vestido de maneira diferente. Então isso vale para qualquer forma de música”.

Zakk prosseguiu: “Você pode dizer que o jazz está morto ou o que seja… Mas ainda há muitos músicos de jazz incríveis fazendo coisas por aí. Assim como ainda há bandas de metal incríveis – ou black metal, death metal, rock… Tudo vai ficar bem”.

“Tipo, todo mundo também tem dito que a guitarra está morta, mas você entra nas redes sociais e vê muitos guitarristas incríveis. Aí você vai sentar aqui e me dizer que a guitarra está morta? Saia daqui, cara”, encerrou o músico.

Quer ficar por dentro das novidades da carreira de Zakk Wylde? Então confira os links de suas redes sociais.