Paciente toca violão durante cirurgia no cérebro em hospital de Canoas

Márcio Andrade, paciente que passava por uma cirurgia de remoção de um tumor no cérebro, surpreendeu ao passar o tempo de sua operação fazendo o que mais gosta: tocando violão.
Foto: Hospital Universitário de Canoas / divulgação

Um paciente que passava por uma cirurgia de remoção de um tumor no cérebro surpreendeu ao passar o tempo de sua operação fazendo o que mais gosta: tocando violão. Márcio Andrade, mecânico de 41 anos, foi submetido ao procedimento no Hospital Universitário (HU) de Canoas, no Rio Grande do Sul, no último mês de novembro.

A cirurgia durou quatro horas e, embora seja considerada de alto risco, já foi realizada em outras 44 ocasiões, sem sequelas. Andrade foi anestesiado, mas os médicos o acordaram após uma pequena abertura no crânio ter sido feita.

Com uma espécie de caneta especial, os médicos dão uma pequena descarga elétrica na região do tumor com o intuito de simular uma lesão cerebral. Caso o paciente continuasse tocando violão, saberia-se que aquela área poderia ser ressecada sem problemas posteriores – e foi o que aconteceu.

Músico amador, Márcio Andrade revelou em entrevista ao ‘UOL’ que percebeu o problema após sentir formigamentos na mão direita. “Sou músico amador e, quando tocava guitarra em uma apresentação em um baile, comecei a errar as notas musicais e não consegui segurar a palheta”, disse ele, que sofreu uma convulsão no mês seguinte.

O problema foi diagnosticado e o mecânico/músico amador precisou ser submetido a uma cirurgia. “Imagina com o crânio aberto, tocando violão, não sentindo dor e ainda respondendo aos estímulos médicos”, comentou.

A situação já foi resolvida e Márcio Andrade, que passa bem, recebeu alta 3 dias após a operação. Agora, serão 2 meses em repouso, tocando bastante violão em casa.

Violão foi útil para os médicos

Gustavo Isolan, médico chefe de neurocirurgia no HU de Canoas, disse em entrevista ao ‘G1’ que a cirurgia foi feita com o paciente acordado para reduzir possíveis sequelas. “No caso de Márcio, a região afetada era a responsável pelo movimento da mão direita. Então a única maneira de garantir que não teríamos sequelas é acordando o paciente e ele fazendo as atividades que faz no dia a dia, no caso, tocando um instrumento musical”, afirmou.

Ao ‘UOL’, Isolan destacou que o avanço tecnológico dos últimos tempos permitiu essa evolução no tratamento. “Há alguns anos, tumores na região motora eram considerados inoperáveis devido ao alto risco de sequelas, como o paciente ficar sem mexer a mão ou com um lado do corpo paralisado”, disse.

Curtiu? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Deixe o seu comentário

Publicidade

Top 5 da semana

Grátis!

Leia agora, a nova edição da revista Guitarload!

Informação, entrevistas, lançamentos e muito mais!