Foto: divulgação

James “JC” Curleigh, CEO da Gibson, falou sobre a marca-irmã Epiphone em entrevista à Guitar Magazine. O executivo apontou mudanças que estão sendo feitas na linha de produção – a mais importante delas é o local da fabricação, que está voltando a ser realizada nos Estados Unidos.

As mudanças anunciadas estão chegando com a linha Epiphone Inspired By Gibson, anunciada na NAMM 2020. Durante o evento, foram apresentados diversos novos instrumentos que trazem designs e padrões de qualidade mais exigentes.

“A Epiphone é sinônimo de autenticidade e, ao mesmo tempo, de algo acessível. Sabemos que temos energia do lado da Gibson, então, por que não trazer essa energia e lançar a ‘Inspired By Gibson’? Não tem a ver com a Epiphone estar na sombra da Gibson”, afirmou.

O CEO destacou que os fãs estavam pedindo por instrumentos que realmente tenham a ver com a proposta “original”, voltando aos tempos de ouro da Gibson. “Fizemos isso com a Gibson e, agora, com a Epiphone. Nossos fãs estão atentos aos detalhes. As linhas ‘Original’, ‘Historic’, ‘Modern’ ou ‘Inspired By’ precisam fazer sentido”, disse.

A produção da Epiphone está sendo trazida de volta para os Estados Unidos pela primeira vez em décadas. Antes, os instrumentos estavam sendo fabricados na China, para baratear os custos e fazer com que o valor final estivesse mais em conta.

“Amo o fato do nosso violão Texan estar sendo feito nos Estados Unidos. Há muita história, seja com Peter Frampton ou com Paul McCartney. Precisamos ser fiéis à promessa de autenticidade da Epiphone. Se vamos investir no violão no qual Paul McCartney compôs ‘Yesterday’, o Texan, espere certo ponto de preço e de qualidade”, afirmou.