Foto: divulgação

A Heritage Guitars moveu um processo contra a Gibson Brands, conforme revelado pela Guitar Magazine. De acordo com a publicação, a Heritage acusa a Gibson de fazer pressão para que a empresa encerre suas atividades.

Para quem não sabe, a Heritage foi fundada em 1985 por três antigos funcionários da Gibson que não queriam se mudar com a empresa de seu local original, em Kalamazoo, Michigan, para Nashville, Tennessee, onde fica a sede atual. Os instrumentos são similares ao da antiga fabricante.

Em 1991, foi feito um acordo confidencial em que a Gibson dá bênção para a Heritage continuar fabricando seus instrumentos, mesmo com as semelhanças entre os produtos. Porém, segundo a Heritage, os novos executivos da Gibson têm rompido o acordo de várias formas.

“Pela primeira vez em mais de três décadas de existência, nós da Heritage Guitar Inc. achamos necessário tomar medidas legais. Entramos com uma ação defensiva contra a Gibson em resposta a uma campanha contínua e excessiva de assédio por parte da equipe deles, a partir do momento em que trocaram de donos”, afirma comunicado, inicialmente.

O texto aponta que as histórias de ambas as empresas estão conectadas até mesmo pelo endereço: a Heritage é sediada no mesmo local onde a Gibson esteve até 1984. Além disso, é apontado o acordo em 1991 em que as duas empresas “concordam em coexistir pacificamente”. Porém, as mudanças no gerenciamento da velha empresa mudaram a relação.

“Ficamos surpresos quando ameaças e reivindicações falsas que eram inconsistentes com o nosso contrato original começaram a chegar da nova administração da Gibson. Respondemos amigavelmente, apesar das ameaças agressivas apontarem que eles fariam a gente ‘falir’ em gastos legais se não concordássemos com eles”, diz.

A ação defensiva movida, segundo a Heritage, tem o intuito de mostrar que eles não serão “intimidados” pela “falta de integridade” dos novos representantes da Gibson, que acusam a outra empresa de ter rompido acordos firmados no passado – segundo a Heritage, a alegação não procede.

A resposta da Gibson

Foto: divulgação

Em nota, a Gibson acusa a Heritage de romper o acordo firmado em 1991, em que as duas realmente concordavam em coexistir pacificamente desde que a empresa mais jovem não ficasse apenas copiando os instrumentos da veterana.

“Recentemente, a Heritage lançou algumas novas guitarras que claramente não respeitavam nem aderiam ao contrato original. De fato, vários clientes perguntaram se realmente eram guitarras da Gibson. A Heritage também usou uma linguagem enganosa e deturpada em seu site, o que aumentou a confusão”, diz.

Dessa forma, a Gibson afirma ter entrado em contato com a Heritage para lembrar dos teroms do contrato original. Eles alegam, ainda, que não processaram a outra empresa.

“A Gibson não processou a Heritage e tem sido proativa em busca de uma solução. No entanto, a Gibson não aceitará que a Heritage Guitars, de propriedade da BandLab em parceria com empresários imobiliários, tentem reescrever a história da Gibson ou violar um contrato de boa fé”, afirma.

Outras ações

Nos últimos anos, a Gibson moveu processos acusando outras fabricantes de copiarem seus instrumentos. Entre as empresas acionadas, estão Kiesel, Armadillo e Warwick. Todos esses casos estão em andamento.

Recentemente, a fabricante veterana chegou a ameaçar luthiers independentes por produzirem guitarras visualmente semelhantes. A intimidação, feita em vídeo, foi removida após gerar polêmica.