Foto: divulgação

O guitarrista Steve Vai ofereceu alguns conselhos pessoais a respeito da seguinte temática: como sobreviver na indústria musical em tempos recentes. A opinião foi declarada durante uma sessão de perguntas e respostas no YouTube.

Um fã havia perguntado a Steve como fazer para sobreviver no segmento musical. O admirador declarou ser formado em música, no segmento de jazz, há 25 anos. “Guitarristas como eu estamos sobrevivendo somente tocando músicas que não gostamos. Música solo já era, músicos como você e Satch (Joe Satriani) começaram suas carreiras quando ainda era alguma coisa, mas tudo isso acabou”, disse o seguidor.

Steve Vai, então, respondeu ao fã. Inicialmente, ele declarou: “Há muito a se discutir a respeito da sobrevivência no meio musical. Falei um pouco ao conversar sobre ter controle de suas finanças como músicos, sugestões para viver abaixo dos seus ganhos para não se tornar um irracional ansioso por dinheiro e por aí vai. Sabemos que a renda dos músicos pode oscilar em tempos como esse, de pandemia. Às vezes você está bem, às vezes você sobrevive das reservas”.

Em seguida, Vai destacou que seu principal conselho para sobreviver no meio musical é mudar sua própria atitude. “É ter uma atitude positiva a respeito de tudo o que você está fazendo, independentemente do que seja, de fato, musicalmente falando. Você é um guitarrista, há 25 anos, e fez disso a sua carreira. Você não tem escolha: você é músico e sabe disso. Alguns também estão nessa situação, mas não têm clareza sobre o que é ser músico e criam fantasias de riqueza e fama”, disse.

Para Steve, o objetivo de se conquistar popularidade e bastante dinheiro sendo músico é “infeliz”. “E eu sei disso, porque o que você tem agora não é suficiente para você. E esse mecanismo de ‘nunca é suficiente’ não vai embora, não importa o que você tenha. Encontre apreço nas coisas que você já tem ou faz, porque, caso contrário, sempre estará indo atrás de algo que não tem, e isso cria um estado de frustração eterno”, afirmou.

Vai pontuou que, após o sujeito ter consciência de que é músico, deve encontrar alguma forma de se contentar com todas as situações musicais em que está incluído. “Dá para fazer o melhor possível sempre que tocar, mesmo que seja uma festa de casamento um Bar Mitzvah. Não importa, também, se você está no palco ou dando aulas”, disse.

Steve Vai queria ser professor

Em seguida, durante o bate-papo, Steve Vai deu exemplos de sua própria carreira. “Quando eu era mais jovem, tinha minhas ansiedades, mas não me importava tanto com o que aconteceria na minha carreira. Eu achava que seria professor de música e seria fantástico, pois eu seria um ótimo professor. Tive um grande professor que mudou minha vida e eu queria ser essa pessoa para meus alunos. E há o Steve Vai dos palcos, que você conhece. E ele estava sempre feliz. É possível encontrar prazer em tudo que você faz?”, afirmou.

Por fim, Vai exemplificou situações que devem ser evitadas, especialmente, no caso de professores de música. “Se você tem um aluno, dá aulas para ele, isso é uma grande honra. É um privilégio poder ensinar. Se você tem uma atitude tóxica do tipo: ‘esse garoto nunca vai dar conta de tocar, tem essas fantasias, ele é ruim e eu odeio ensinar’, o quão efetivo você pensa que será com essa atitude? Talvez, será não muito efetivo”, concluiu.