Foto: Gibson / divulgação

Antes de substituir Richie Sambora no Bon Jovi, em 2013, o guitarrista Phil X realizou uma série de trabalhos como músico de estúdio. Ele já gravou com artistas como Alice Cooper, Avril Lavigne, Rob Zombie e Tommy Lee, entre vários outros, além de ter feito parte da banda Triumph na década de 1990.

Muitas pessoas pensam que a vida de um músico de estúdio é bastante lucrativa, já que é contratado por sessão ou até mesmo por hora, dependendo da ocasião. No passado, até que poderia ser dessa forma, mas Phil X afirma que, hoje em dia, a realidade é diferente.

“O trabalho em estúdio está acabando porque os orçamentos não contemplam mais. Entre 2003 e 2012, dava para viver muito bem apenas como músico de estúdio”, declarou ele, em entrevista ao jornalista Mitch Lafon transcrita pelo Ultimate Guitar.

Por que esse mercado alterou de forma tão drástica e rápida? “O Pro Tools chegou e acabou com tudo”, disse Phil, citando o famoso programa de computador usado para produção de áudio.

“As pessoas sempre me ligavam dizendo que iriam me contratar, mas que músico de estúdio não estava mais no orçamento. E eu sempre perguntava por que não me ligavam oferecendo 500 dólares que fossem, ao invés de chamar qualquer um para tocar ‘meia boca’ e aperfeiçoar aquilo com Pro Tools, até tirar toda a alma daquilo. É frustrante”, disse o guitarrista.

Phil X exemplificou que produtores também foram afetados com a “febre” do Pro Tools, já que alguns que ganhavam US$ 150 mil por um disco faturam, hoje, por volta de US$ 30 mil. Não dá nem para recusar, segundo ele, porque todas as gravadoras estão trabalhando com orçamentos reduzidos.