Foto: divulgação

Stevie Ray Vaughan consolidou-se como um dos maiores guitarristas da história do blues, mas nem sempre o guitarrista teve a devida aprovação do público. Joe Bonamassa, grande fã de SRV, revelou que até mesmo o saudoso músico, falecido em 1990, era criticado pelos fãs do estilo.

Em entrevista ao canal da ‘Guitar Interactive’, transcrita pelo Ultimate Guitar, Bonamassa falou sobre o valor da opinião do público a respeito do trabalho de um artista. O guitarrista acredita que as mudanças no mercado da música foram tão significativas que muitos ídolos de décadas passadas não reconheceriam o segmento em 2020.

“A diferença entre 1990 e 2020 é enorme. Permitiu que jovens artistas conquistassem notoriedade sem tanto marketing por trás. Isso empodera a opinião das pessoas. Por outro lado, elas não têm uma base para ter opiniões tão fortes e você precisa navegar em meio a tudo isso”, afirmou.

Para ilustrar, ele citou o exemplo do rapper Post Malone, que publicou um vídeo tocando na guitarra a música ‘Cliffs of Dover’, de Eric Johnson. O cantor não teve uma performance tão boa empunhando o instrumento, mas foi elogiado por seus fãs. Já a comunidade de guitarristas não aceitaria se Joe Bonamassa aparecesse tocando da mesma forma que Malone.

“Fiquei feliz com a divulgação feita a Eric Johnson, que é ótimo. […] Porém, falei com Eric que se eu ou ele tocássemos do jeito que o rapper tocou, seríamos detonados. Esse é o mercado da música em 2020. O rapper recebeu comentários como ‘incrível’, ‘o maior’, etc. Se nós postarmos, será: ‘você não presta, pare com isso'”, disse.

As críticas a Stevie Ray Vaughan

As opiniões sobre músicos e seus respectivos trabalhos sempre foram ácidas por uma parcela pequena do público, conforme Joe Bonamassa ponderou. Foi aí que ele citou que Stevie Ray Vaughan era criticado ainda na década de 1980, mesmo sem a existência de redes sociais.

“Lembro dos comentários sobre Stevie Ray Vaughan na década de 1980. Sempre rolavam esses comentários na comunidade dos guitarristas dizendo: ‘oh, se eu quisesse ver Albert King, eu iria assistir Albert King’ (como se Stevie o imitasse). Ok, você apenas quer ignorar isso, mas sempre foi assim. Nos anos 1980 e 1990, esse tipo de comentário aparecia na seção de cartas de uma revista. Geralmente, 90% do público tinha opiniões positivas, curtiam, mas existiam os 10% que falavam coisas sem sentido.”

A entrevista pode ser conferida na íntegra, em inglês e sem legendas, clicando aqui.