Foto: Lucas O'Brien / divulgação

Angus Young é um dos guitarristas mais cultuados do rock – e ele conseguiu essa posição de destaque sem precisar abusar tanto da técnica no instrumento. O grande segredo está nas músicas incríveis do AC/DC e nos solos e riffs que ficam na cabeça facilmente.

Em entrevista ao site Music Radar, Angus falou um pouco sobre a sua abordagem para a construção de seus solos de guitarra. O músico revelou que busca apresentar uma pegada mais rítmica, aliada ao groove da música, do que apenas despejar um emaranhado de notas.

“Se você vai fazer um solo de uma música que depende de seguir uma linha melódica principal, é bom que você tenha suas ideias bem organizadas. Isso também depende do quão proeminente isso é e por quanto tempo vai durar o solo, se vai ser algo longo ou apenas algo mais rítmico”, afirmou.

Angus Young e o ritmo no AC/DC

A palavra “rítmico”, inclusive, embasou boa parte da explicação de Angus Young no que diz respeito à sua abordagem para solos. Foram citados, inclusive, os exemplos das músicas ‘Back in Black’ e ‘Shoot to Thrill’, que têm uma quebra de ritmo para a entrada de novas linhas principais de guitarra.

“Se você ouvir a parte onde você diria ‘lá vem o solo de guitarra’… é, na verdade, um toque mais rítmico. Tem uma ‘mordida’ de guitarra mais evidente, mas ainda é rítmico. É apenas na parte final da música, após uma pequena parte de quebra de ritmo (breakdown), que a guitarra aparece mais, no que diz respeito às linhas e aos fraseados principais”, disse.

Por fim, Angus Young reforçou a mesma dinâmica que todo bom guitarrista já conhece: “O que estou tentando dizer é que tudo se trata da música e como você a ouve. Uma nota sozinha pode ser muito melhor do que 50 notas juntas”.

Tudo isso pode ser ouvido nos álbuns do AC/DC, incluindo ‘Power Up’, que foi lançado na última sexta-feira (13). Confira o disco na matéria a seguir.