Foto: divulgação

Alex Lifeson, um dos grandes guitarristas da história do rock, não se sente motivado a fazer aquilo que sempre fez: tocar guitarra. O motivo, segundo ele, é a morte de seu colega de décadas do Rush, o baterista Neil Peart, que nos deixou em janeiro deste ano.

Em entrevista a um canal de golfe na internet, com transcrição do Blabbermouth, Lifeson contou que tocou guitarra poucas vezes após a morte de Neil Peart. Ele não esconde que está abatido e não superou a partida de seu parceiro. Os dois formavam, com o vocalista e baixista Geddy Lee, uma das bandas mais longevas do rock, sem mudanças na formação desde a década de 1970.

“Não me sinto inspirado e motivado. Foi a mesma coisa quando a filha de Neil morreu em um acidente de carro, em 1997. Não toquei por um ano. Não sinto vontade em meu coração agora”, disse.

O músico destacou que, nos últimos tempos, sempre quando pega uma guitarra, fica sem saber o que tocar e a guarda após 10 minutos. “Normalmente, fico tocando por horas sem perceber a hora passar”, disse.

Lifeson contou, ainda, que sente ter uma conexão diferenciada com os colegas de Rush. “Era como se estivéssemos lutado em uma guerra juntos. Tínhamos essa ligação mesmo quando passávamos meses sem nos vermos. Sempre estivemos em contato. Falo com Geddy regularmente. Antes dessa pandemia, Geddy e eu nos víamos toda semana, seja para jantar ou para bater papo. Seremos amigos até o fim das nossas vidas”, afirmou.