Matthias Jabs tocando ao vivo

Durante uma conversa com o portal Music Radar, Matthias Jabs, guitarrista do Scorpions, explicou o que um amplificador precisa ter para satisfazer suas necessidades sonoras.

“Eu procuro clareza e punch – os amps precisam ter essa reação. Quando você tem muito ganho, a característica percussiva vai embora. Quero que minha guitarra tenha ataque e esteja presente. Não quero que o som demore milissegundos… O ataque tem de ser mais rápido, por isso estou usando menos ganho do que eu utilizava no passado”.

Publicidade

Modelos preferidos

O músico prosseguiu com o raciocínio: “No momento, estou usando o amplificador Skrydstrup, de ótima sonoridade, feito por um dinamarquês que constrói tudo para nós. Ele trabalha para David Gilmour também. Sempre usei Fender Tonemasters no estúdio, além de Marshalls, e eu ainda tenho meus velhos Soldanos para quando precisar”.

Jabs afirma que os Tonemasters são muito barulhentos para o palco. “Já no estúdio, isso não importa. Acho que eles têm 140 watts, mas parecem 300… Absolutamente matadores. A clareza e a sustentação são tudo o que você precisa. Eles são difíceis de encontrar, pois pararam de ser produzidos em meados dos anos 1990. Eu tenho dois deles!”.

Leia também: Rudolf Schenker revela seu álbum preferido do Scorpions

Influências

Em outra parte da conversa, Jabs falou sobre suas maiores influências musicais, destacando “os caras do blues dos anos 1960″, como Johnny Winter, Jimi Hendrix, Eric Clapton e Jeff Beck.

Ele adicionou: “Sou autodidata. Eu costumava ouvir concertos de violino que escolhia da coleção de discos do meu pai – peças como ‘Felix Mendelssohn’s Violin Concerto in E minor, Op. 64’. A maioria das músicas clássicas não parecia atraente, mas me influenciaram bastante. Aprendi os arpejos como um violino tocaria. Então sou influenciado pela música clássica e pelo blues“.

Quer ficar por dentro das novidades sobre o Scorpions? Então visite o site da banda.