Adrian Smith tocando ao vivo com o Iron Maiden

Durante recente entrevista, Adrian Smith, guitarrista do Iron Maiden, disse que não está feliz com o crescente número de bandas mais jovens que usam backing tracks durante apresentações ao vivo.

“Olha, tenho visto isso em um monte de bandas mais novas, e não acho que seja uma coisa boa. Quer dizer, a música está ficando muito técnica agora… Você tem sistemas de gravação computadorizados – que nós usamos, mas acho que mais por conveniência do que por necessidade”, explica Smith em uma conversa com o NY Post.

Publicidade
Cordas Inbox | Esquenta Black Friday | Super Island |

O músico completa: “Fizemos uma turnê com algumas bandas que disparam gravações enquanto tocam – não é real. Deveria ser ao vivo…. Eu não concordo com o uso de backing tracks. Isso é uma pena”.

Não deixe de ler: Zakk Wylde: “O rock não está morto”

Falta de autenticidade

Outro guitarrista de peso do cenário metal, Kirk Hammett também reprova a sonoridade artificial de muitas bandas contemporâneas.

“Acho que há uma certa autenticidade no Metallica que não está muito ligada a algumas das bandas mais atuais. De uma forma ou de outra, nós entregamos algo que é real e autêntico, que tem integridade. Atualmente isso realmente significa muito para algumas pessoas, quando muita música é feita pressionando um botão…”, afirmou o instrumentista em fevereiro.

“As pessoas podem contar com a gente atrás de nossos instrumentos e fazendo música ali mesmo, no momento. Nós entregamos. O que quer que você ouça em nossos álbuns, podemos tocar ao vivo. Não vou nem tentar contar quantas bandas são incapazes disso”, finalizou o músico.